quarta-feira, 27 de junho de 2012

eros e tânatos

chama

ainda que tarde
ainda arde
ainda ar
ainda







crônico

a morte
em sua infinita paciência
acompanha curiosa
os avanços da ciência





[r.m.]
imagem
crédito desconhecido

8 comentários:

Cristiano Marcell disse...

Muito bom! A morta tem uma paciência de Jó!

Dolce Vita disse...

Uma fina ironia recobre tuas construções sintéticas, precisas e muito bem articuladas.

Ana Ribeiro disse...

Ah um impacto preciso em seus poemas!

Raul Motta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Raul Motta disse...

Ana,

grato pelo comentário generoso - e poeticamente preciso...

Abraços, bons caminhos!

Raul Motta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Raul Motta disse...

Cristiano,

Jó é
Paciente
Já eu
Sou diferente...


Abs., grato pela presença!

Raul Motta disse...

Dolce Vita,

ironia é humor destilado, remédio e veneno...

Grato pela presença e fino comentário, bons caminhos pra ti!