sábado, 3 de outubro de 2009

todo ouvidos para o teu olhar



me ensina
você
a vida
off sina






[ R.M.N.O. ]
poema + imagens

15 comentários:

Nydia Bonetti disse...

Ouvindo as conchas, podemos ver o mar... Fantástico, Raul. Beijos

Renata de Aragão Lopes disse...

Excelente, Raul!
O título,
os versos,
o desfecho, em especial.

Um beijo,
doce de lira

Cosmunicando disse...

ah que bacana isso!

BAR DO BARDO disse...

cirurgia a laser

gostei do pós-cirúrgico

marcia szajnbok disse...

para além da sina, o que alu(z)(s)cina...

betina moraes disse...

raul, irmão

as conchas são ouvidos que guardam os sons que não ouvimos para nos surpreenderem,

através delas podemos ouver outro continente!

a escolha delas para o poema foi genial!

ouvir olhares é uma questão de saber onde encontrar os sons, assim como quem leva conchas ao ouvido para se deixar levar até o som...

“O silêncio é a respiração das coisas”

ah, é tanta possibilidade de imagem que teu poema causou que eu poderia ir levando ele até o infinito...


especialmente criativo o jogo com oficina e off sina

talhar, construir, fazer, moldar, coisas de oficina

destino em off!

é um verso maravilhoso!

grande abraço!

bossa_velha disse...

como demorei tanto para descobrir esse blog?

há palavra disse...

Nydia,

acho que estou num "momento água"...

Abraços, bons caminhos, sempre...

há palavra disse...

Renata,

tua presença é sempre um agradável incentivo!

Grato!

Tudibom nos caminhos pra ti...

há palavra disse...

Mercedes,

bacana é uma palavra bacana! Fico feliz em ganhar este adjetivo de presente - principalmente por vir de uma poeta que é bacana à bessa!

Bons caminhos, sempre!

há palavra disse...

Bardo,

palavras sucintas!

precisão cirúrgica
concisão demiúrgica
que o tempo ruge e foge...

Abraços, tudibom nos caminhos!

há palavra disse...

Betina, irmã,

sou-lhe, como sempre, grato: você ouve e vê tons e sons e imagina ressonâncias, propõe palavras, compõe frases sempre pertinentes às minhas pequenas ilhas-poema...

[os continentes são formas-conteúdo à espera de nós-naus]

Bons caminhos no bem e dos bons!

há palavra disse...

Márcia!

Belo jogo, sutil e forte, com as palavras!

E falando em luz que alu[z][s]ina, um certo poema aí em cima...

Abraços, tudibom nos caminhos...

há palavra disse...

Bossa amiga,

se já vou te chamando assim é porque te descobri também e gostei bastante do que li e vi!

O que resultou em teu blog já estar e ser presente, “outras palavras”...

Serei leitor assíduo!

Bons caminhos no bem e dos bons, sempre!

Clarice Villac disse...

.

Raul

original

vai além

da origem dos sentidos

sentindo

a hora eterna...

.

Textos-Presentes
acrescentam significados
sempre
crescentes...

.