segunda-feira, 26 de julho de 2010

pelos poros

Tatiana Blass, "Eno", 2003




por
onde

por
onde
por

por
onde
meu
rigor

depois

do
amor?





R.M.
para Chris

10 comentários:

José Carlos Brandão disse...

Depois do amor tudo é silêncio.

betina moraes disse...

pelos poros, certemanete!

professoramigo, que felicidade encontrar um (belo)verso novo aqui!


uma construção sensível sobre a flor de uma pele... ficou lindo.

abraços.

Renata de Aragão Lopes disse...

Saudades daqui! : )

Poema que quase se lê com o tato.

Beijo,
Doce de Lira

Cosmunicando disse...

belo

há palavra disse...

José Carlos,
é isso e mais: silêncio, sim - em turbilhão, sim!
Abraços, grato pelo diálogo!

há palavra disse...

Betinamiga!
Pelos poros, pelos e poros...
Após alguns meses dentro demais da pele para escrever qualquer coisa, a felicidade também é minha pelo[s] reencontro[s]: com a palavra novamente possível, com a tua leitura-presença atenta...
Renovadamente grato!

há palavra disse...

Renata,
beleza de frase! "Com o tato" e com tato - delicadamente - que é como se lê gente...
Abraços gratos!

há palavra disse...

Mercedes,
presença concisa - força da palavra: fica o som sentido: "belo"...
Grato!

Clarice Villac disse...

.
Luzes...
.

há palavra disse...

.

leves...

.

Grato, Clariceamiga!