domingo, 19 de julho de 2009

Solidão e falsa solidão

Alguns textos nos chegam às mãos quando menos esperamos – e estes costumam ser os melhores. Pois foi num desses momentos que me caiu no colo do olho esta crônica de 7 de junho de 1969, na qual Clarice Lispector faz uma longa citação de Thomas Merton:

.

“Eu, que pouco li Thomas Merton, copiei no entanto de algum artigo seu as seguintes palavras: ‘Quando a sociedade humana cumpre o dever na sua verdadeira função, as pessoas que a formam intensificam cada vez mais a própria liberdade individual e a integridade pessoal. E quanto mais cada indivíduo desenvolve e descobre as fontes secretas de sua própria personalidade incomunicável, mais ele pode contribuir para a vida do todo. A solidão é necessária para a sociedade como o silêncio para a linguagem, e o ar para os pulmões e a comida para o corpo. A comunidade, que procura invadir ou destruir a solidão espiritual dos indivíduos que a compõem, está condenando a si mesma à morte por asfixia espiritual.’
“E mais adiante: ‘A solidão é tão necessária, tanto para a sociedade quanto para o indivíduo que quando a sociedade falha em prover a solidão suficiente para desenvolver a vida interior das pessoas que a compõe, elas se rebelam e procuram a falsa solidão. A falsa solidão é quando um indivíduo, ao qual foi negado o direito de se tornar uma pessoa, vinga-se da sociedade transformando sua individualidade numa arma destruidora. A verdadeira solidão é encontrada na humildade, que é infinitamente rica. A falsa solidão é o refúgio do orgulho, e infinitamente pobre. A pobreza da falsa solidão vem de uma ilusão que pretende, ao enfeitar-se com coisas que nunca podem ser possuídas, distinguir o eu do indivíduo da massa de outros homens. A verdadeira solidão é sem um eu.’
‘Por isso é rica em silêncio e em caridade e em paz. Encontra em si infindáveis fontes de bem para os outros. A falsa solidão é egocêntrica. E porque nada encontra em seu centro, procura arrastar todas as coisas para ela. Mas cada coisa que ela toca infecciona-se com o seu próprio nada, e se destrói. A verdadeira solidão limpa a alma, abre-se completamente para os quatro ventos da generosidade. A falsa solidão fecha a porta para todos os homens.’
‘Ambas as solidões procuram distinguir o indivíduo da multidão. A verdadeira consegue, a falsa falha. A verdadeira solidão separa um homem de outros para que ele possa desenvolver o bem que está nele, e então cumprir seu verdadeiro destino a pôr-se a serviço de uma pessoa.’”

.

Texto extraído de: LISPECTOR, Clarice. A Descoberta do Mundo; Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992; p.213. O título da postagem é o mesmo da crônica.

Thomas Merton [1915-1968] Monge trapista da Abadia de Gethsemani [Kentucky, USA]; escritor, poeta, ativista social e estudioso de religiões comparadas.

+ Thomas Merton http://www.reflexoes-merton.blogspot.com/

9 comentários:

Renata de Aragão Lopes disse...

"A solidão é necessária para a sociedade
como o silêncio para a linguagem (...)."

Tudo a ver com o livro
que ocupa agora minha cabeceira:
"A palavra ameaçada",
de Ivonne Bordelois.
Fantástico!

Um abraço,
doce de lira

há palavra disse...

Renata,

fiquei curioso para saber mais sobre este livro que você está lendo... Mantenha-me informado, por aqui mesmo ou pelo meu e-mail: raulmottaymotta@gmail.com

Grato pela presença!

Abraço, tudibom nos caminhos...

Bonetti disse...

Raul

Incrível este texto, também não conhecia. A solidão parece ser mesmo nossa matéria prima básica. Tenho um poema intitulado: "o que nos faz poetas?", onde eu acabo concluindo que o que nos faz poetas é a solidão.

E que frase de Göethe, absolutamente verdadeira. Sinto que meu jardim anda um pouco mais habitado.

abraços

há palavra disse...

Nydia,

grato pela sensibilidade, pelas palavras.

Vamos seguir compartilhando flores, sementes e frutos dos nossos jardins...

Vou ler teu poema.

Abraço, bons caminhos...

Paulo disse...

É...o silêncio e as pausas da própria Clarice eram repletas de significados.

Estórias de Luz disse...

Beleza Raul! Saudades de nossos papos. Abraço grande! Marcelo.

Alice disse...

Nunca pensei dessa forma, solidão e falsa solidão, mas agora faz sentido muita coisa. Maravilhoso texto, obrigada por compartilhar!

Um beijo

há palavra disse...

Alice,

bom que o toque te tocou!

Abraços e bons caminhos pra ti...

Fábio Fadel disse...

Gostei, entre outras frases, desta "Ambas as solidões procuram distinguir o indivíduo da multidão. A verdadeira consegue, a falsa falha".

Esse texto de Merton caiu-me "ao colo dos olhos", e eu nem sabia que o tinha :)