segunda-feira, 30 de julho de 2012

Em diálogo: Cláudia Lemos



Raul Motta; "Infância"; xilogravura, 1997; P.A.



Chão do Tempo


Infante o homem
toma a lembrança
de seu quintal de liberdade

O pássaro primeiro
em mãos de futuro
passeia  possibilidades

A velha criança
floresce a raiz
cravada na rocha do tempo

E nas asas
se desfaz
faz
refaz
o menino de nunca mais.



Cláudia Lemos

Julho, 2012


.



Poema da poetamiga Cláudia Lemos para xilogravura de minha autoria. Promete ser o primeiro fruto de uma série de diálogos transversos.
Reproduzido aqui, originalmente publicado aqui

+


Cláudia Lemos escreve em:

2 comentários:

Clarice Villac disse...

Perfeita a parceria !

Parabéns aos dois !

Raul Motta disse...

Grato, Clarice parceiramiga!

Abraços, bons caminhos...