segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

kyudo

certa
a palavra é
a palavra que
no poema
é alvo
e seta -
sendo arco
o poeta









[R.M.]
+
"enso" ["círculo"]; caligrafia japonesa, autor desconhecido


12 comentários:

Maria Marluce disse...

A palavra nos seduz e assim tecemos o poema. LINDO!!! Adorei o poema.

há palavra disse...

Grato, Maria!

O poema é tecido quando escrito e também quando lido...

Abraços, bons caminhos!

betina moraes disse...

princípio do arqueiro zen,
ser o alvo
para onde se destina a flecha.


sua poesia tem estado em estado de graça!


abraços, raulamigo.

há palavra disse...

Betinamiga,

acertou em cheio!

Abraços, bons caminhos...

nydia bonetti disse...

certeiro... como sempre. bjo!

há palavra disse...

Nydia,

grato pelo leitura e pelo retorno aqui aos comentários!

Vindo de quem, como você, escreve conhecendo a palavra desde dentro.

Abraços, bons caminhos!

luiz gustavo disse...

poesia pássara pêssega
suave cigarra que se assigna
veludolorosa e se fragmonstra:

- univértebra univalve unívoca

há palavra disse...

o som
se [des]faz
em mundo

Abraços!

Henrique Pimenta disse...

el arco y la lira

há palavra disse...

"Oração, litania, epifania, presença... Filha do acaso; fruto do cálculo... Obediência às regras; criação de outras..."

Henrique,

grato pela leitura e presença!

Abraços!

Marcio Nicolau disse...

essa busca pela "palavra certa" é que certamente fundamenta o ato de escrever, Raul.

há palavra disse...

Márcio,

essa é [a]ventura que nos move!

Abraços!