quarta-feira, 28 de setembro de 2011

sem sensei



de dentro
pra fora
de fora
pra dentro

neste eterno movimento

às vezes creio
caminho do meio
outras anseio
em meio ao caminho

mas mesmo
torto
longe do centro
ou
ainda que lento
eu
sempre tento



[R.M.]

12 comentários:

Alice disse...

desistir nem pensar
até em sonho
temos que lutar" ♪

Raul Motta disse...

Não faltemos aos ensaios!

Abs.!

Cristiano Marcell disse...

Sempre tentando! Belo poema!
Parabéns!

Fouad Talal disse...

não sensei
mas samsara-ei
;)

redondo esse raul!
abraço!

Raul Motta disse...

Cristiano,

na vida e na palavra, existência é persistência...

Grato pela presença, abraços!

Raul Motta disse...

Fouad,

"pedra bruta" na vida [como já bem disse o Mautner!] a gente vai tentando aparar as arestas - também da palavra...

Grato pela presença e diálogo!

sandra camurça disse...

sempre tentando
movimentando
essa vida espiral
tal qual
fractal

um beijo carinhoso

Raul Motta disse...

aos trancos e [b]arrancos!

grato pela presença e diálogo mais que poético,

abraços!

Ana Ribeiro disse...

"In Between". Seu poema é fronteiriço. Mais que contemporâneo.
Abço.
Ana Ribeiro

Raul Motta disse...

Ana,

gostei do adjetivo "fronteiriço".

Acho que por isso: se as palavras nasceram pra nomeiar as coisas e nos situar/orientar no mundo, talvez a maior força da poesia seja nos tornar fronteiriços, nos colocar "entre mundos" de sentido[s]...

Abraços, grato pelo diálogo!

Renata de Aragão Lopes disse...

Leituras em sequência:
e todas reverberam em mim...

Raul Motta disse...

Grato pelas presença[s], Renata!

E sigamos lendo, escrevendo... e seguindo [n]o caminho...

Abraços pra ti!