sábado, 15 de outubro de 2011

oqueéoqueé


não trama
tece
não teia
ateia
não clama
à toa
pro bem
só vem
se vão
esvai-se
e
contra o tempo
encontra tempo
desfaz a calma
acalma a cama
por mais feliz
se contradiz
é
chama louca
por fora lambe
enquanto dentro
sem peso
pesa
sem pressa
passa
e
fica




[R.M.]

10 comentários:

Alice disse...

Hum... aquilo que dá no coração. rs

Raul Motta disse...

Alice,

ganhou um doce!

Abraços, bons caminhos...

Clarice Villac disse...

Lindo poema !

Poderia também ser a Poesia...

Raul Motta disse...

Clariceamiga,

um doce pr'ocê também!

Grato pela presença, bons caminhos!

Alice disse...

E agora que você falou de doce com uma quase formiga, como faz? rs

Adoro passar por aqui.

Cristiano Marcell disse...

Talvez seja a tenra e verdadeira amizade!

P.S.: Caso eu tenha acertado, com toda delicadeza, dispenso o doce. Estou de dieta!(RSRSRS!!!)

Raul Motta disse...

Alice,

então você é formiga também? Pensei que fosse só cigarra... rs...

Abraços!

Raul Motta disse...

Cristiano,

se preocupa não: aqui o doce é puramente poético, mais substancial e sem contra-indicações...

Abraços, grato pela presença!

D.Everson disse...

que belo jogo de palavras

Raul Motta disse...

Grato, D.Everson!

Homo ludens, homo poeticus...

Abraços!